Ver o conteúdo do artigo
Henrique Beirangê, da Record TV

Seringas descartadas irregularmente no lixo levaram o gari Alisson Furtunato, de 31 anos, duas vezes ao hospital nos últimos 4 anos. O protocolo determina que  vítimas deste tipo de acidente tomem um coquetel retroviral por um mês para diminuir a possibilidade da infecção por HIV. Os exames deram negativo, mas os problemas não param por aí. Cacos de vidro, espelhos, facas colocadas na lixeira sem nenhum cuidado já não o impressionam mais. Cicatrizes pelos braços e pernas mostram as marcas deixadas pela indiferença de grande parte da população com o trabalho dos garis.

Não bastassem a luta de uma jornada diária que pode variar de 10 a até 16 horas e uma maratona de 35 quilômetros por dia correndo atrás de um caminhão, o inimigo agora é outro. Alisson faz parte de uma das poucas profissões que não poderão parar durante a quarentena imposta pelo novo coronavírus, causador da covid-19. Jornalistas do Câmera Record acompanharam um dia na rotina de uma equipe da companhia de limpeza de Guarulhos, na Grande São Paulo.

Debaixo de sol quente, Alisson não reclama do trabalho. "É digno como qualquer outro. Daqui que tiro o pão da minha família", diz. Ele ganha cerca de dois salários mínimos para sustentar a família de quatro pessoas. E é a preocupação com os dois filhos e a esposa que aumentou nas últimas semanas. "Esse vírus ninguém sabe direito os riscos. Todo mundo está com medo".

Alisson e os 3 colegas que o acompanham no caminhão aspiram diariamente uma nuvem de lixo que carrega toda sorte de bactérias e vírus vindos das casas de 1,3 milhão de habitantes de Guarulhos. Para tentar se proteger, eles usam uma luva especial com material usado em blindagens. "Nem sempre adianta. Tem material que perfura a luva", conta. Não usam mascáras. A sujeira poderia se acumular no material e aumentar o risco de infecções. As luvas saem das mãos poucas vezes por dia. É na hora em que vão lavar as mãos em um pequeno tanque de água colocado no caminhão antes de comer.

https://img.r7.com/images/aspas-alisson-estudio-r7-29032020160209973
Arte R7/Foto de Renata Garofano

O trabalho é pesado, literalmente. Alisson é um dos 275 coletores que recolhem diariamente cerca de 1 mil toneladas de lixo em Guarulhos. Recentemente, ele teve de operar uma hérnia por conta do excesso de peso que carrega todos os dias. Segundo a Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza), o volume de lixo doméstico deve aumentar 25% por conta do crescimento de resíduos produzidos nas casas durante a quaretena. Os resíduos hospitalares podem crescer até 20 vezes em volume.

Um lixo que, muitas vezes, pode estar contaminado por portadores do coronavírus. Durante a reportagem, os garis mostraram em diversas ocasiões sacos abertos com papel higiênico e até mesmo fralda geriátrica sem o devido acondicionamento. Para tentar reduzir os riscos de contaminação, a Prefeitura de São Paulo pede que a população reforce o lixo com duas sacolas. A Abrelpe orienta que pessoas com suspeita de coronavírus parem de separar o lixo para reciclagem e descartem tudo num mesmo recipiente com sacolas reforçadas.

https://img.r7.com/images/info-estudio-r7-29032020160237422
Arte R7

Para Jean Gorinchteyn, infectologista do Instituto Emílio Ribas, a situação de vulnerabilidade dos lixeiros é preocupante. "São pessoas que já estão sob risco desde a hora que saem de casa e enfrentam o transporte público". Ele lembra as recomendações da Abrelpe e diz que as empresas precisam oferecer todos os tipos de equipamento de proteção para evitar que os garis sejam alvo da covid-19.

O médico Marcelo Otsuka, da Sociedade Brasileira de Infectologia, diz que os lixeiros são profissionais em permanente risco de contaminação. "A preocupação deles deve ser o uso de luvas adequadas, sempre lavadas, e não deixar em contato com outras parte do corpo. As roupas sempre lavadas e, se possível, não levar pra casa ou já colocar direto no tanque quando chegar", afirma.

Vida em família e o sonho de ser professor

São esses cuidados que podem evitar que pessoas como Alisson adoeçam. "Não posso parar de trabalhar, na minha casa sou eu que sustento nós quatro", diz. Para reduzir o risco de levar alguma doença para a residência, ele toma banho na empresa e leva o uniforme em uma mochila. Em casa, a esposa, Isabele da Silva, lava o traje separado das demais roupas da família. "A gente fica preocupada, não sabe o que ele pode trazer. Por isso, sempre peço pra ele nunca andar de uniforme aqui".

A mulher tem intensificado a limpeza de casa e lavado as mãos com mais frequência. No bairro onde moram, a polícia tem pedido para a população não ficar nas ruas para evitar aglomerações. Mas nem sempre as comunidades atendem. Nas periferias da Grande São Paulo, vídeos gravados no último final de semana mostraram festas ao ar livre na Brasilândia, zona norte da capital, e em Cidade Tiradentes, zona leste.

Alisson espera que os filhos tenham um futuro melhor que o seu. O alagoano saiu da cidade onde vivia aos 19 anos de idade. Trabalhador de canavial, ele lembra que o salário mal dava para pagar as despesas com alimentação. Ganhava cerca de R$ 200 por semana. O trabalho extenuante debaixo de sol teve de interromper o sonho: ser professor. "Queria ter feito Pedagogia, mas não tinha tempo, nem dinheiro. Queria ensinar Geografia", conta o coletor, que parou os estudos no segundo ano do ensino médio. 

Na quinta-feira (26), ele e os colegas encontraram uma boa lembrança deixada por moradores. Uma carta colada em um saco de lixo mostra que parte da população entende a importância dos trabalhadores de limpeza urbana. Alisson mostra a mensagem escrita à mão: "Muito obrigado pelo serviço de vcs. Que Deus abençoe vcs e sua família também".

https://img.r7.com/images/info-pedro-aleixo-gary-29032020160312152
Arte R7

Reportagem: Henrique Beirangê
Arte: Adriano Sorrentino, Pedro Tarantino e Matheus Vigliar
Produção audiovisual: Caroline de Moraes e Henrique Mathias
Imagens: Henrique Mathias, Pedro Canin e Renata Garofano
Videografismo: Eriq Gabriel Di Stefani e Marisa Eiko Kinoshita
Edição de vídeo: Edmar Sabatine, Danilo Barboza e Caíque Ramiro